sexta-feira, 16 de julho de 2010

CARÊNCIA ABORTA POSSIBILIDADE DE NAMORO




Ramiro Sancho diz que algumas pessoas apresentam um quadro de carência tão generalizado que buscam preencher essa angustia com as possibilidades ínfimas de vivenciar o amor (FOTO CAROL AYALA)



Fabíola Cangussu
Repórter



O apaixonar faz as pernas tremerem, as mãos suarem e dar aquele friozinho no estômago. Sensação que acelera os batimentos cardíacos e faz com que a vida fique com mais cor. Quem nunca se sentiu assim? Quem discorda que é muito gostoso vivenciar esses momentos? A ciência comprovou que a paixão e a cocaína ativam as mesmas regiões celebrais, podendo justificar porque algumas pessoas estão propícias a apaixonarem várias vezes.
Mas segundo os especialistas, nem sempre o apaixonar-se com frequência pode ser associado a algum tipo de vício. Esse tema foi sugerido pela Juliana Almeida, 27, Montes Claros/MG com o seguinte questionamento.
-O que fazer para ajudar uma amiga que todo dia se apaixona pelo primeiro cara que lhe dá bola? E no geral essa relação acaba dando em nada.
O especialista em comportamento social Ramiro Sancho diz que algumas pessoas apresentam um quadro de carência tão generalizado que buscam preencher essa angustia com as possibilidades ínfimas de vivenciar o amor.
- Mesmo sabendo que a pessoa pode não ser um parceiro ideal para si, algumas costumam se deixar levar quando esse demonstra interesse por ela. Na tentativa que tudo se desenvolva no caminho de se tornar uma relação real, as pessoas costumam a atropelar os acontecimentos. E nesse momento é que pode colocar tudo a perder – explica.
Pesquisas realizadas com homens de diferentes faixas etária apontam que as mulheres que se derretem por um homem no primeiro sorrido ofertado tende afastá-lo.
- Homens gostam de mulheres confiantes, que sabem o seu valor. Do mesmo jeito que as mulheres também se atraem por pessoas que exalam confiança. Isso faz parte do ser humano. Saber que se necessita conquistar o outro dia após dia é que faz com que ambos mantenham o respeito e interesse um no outro. O que pode está acontecendo no caso da amiga de Juliana é que no primeiro momento ela se parece uma mulher interessante, mas logo em seguida se diz completamente apaixonada, não permitido tempo para a conquista. – analisa o especialista.
Ramiro afirma que os homens avaliam a atenção e a paixão rápida de mais de uma mulher como sinal de carência.
- Ninguém quer ser um carro para ocupar uma vaga no estacionamento. Homens fogem de mulheres que desejam preencher seu vazio. Eles querem ser escolhidos porque são especiais e não porque há uma necessidade de se chegar ao altar, ou dar satisfação a sociedade. Por isso, o conselho é: Não mude para a vida dele de um dia para o outro e não permita que ele faça isso - Conclui o especialista

quinta-feira, 15 de julho de 2010

AMANTE , COADJUVANTE DA VIDA



Ramiro Sancho diz existem pessoas que assumem o papel de amante apenas por sentir prazer em destruir outros relacionamentos (FOTO CAROL AYALA)



Fabíola Cangussu
Repórter


O que se passa na cabeça de uma mulher quando assume o papel da outra num relacionamento? Um grande humorista brasileiro ironizava essa situação com a seguinte frase, quem nasceu para ser vaquinha de presépio jamais será a estrela de Belém. O significado disso é que dificilmente alguém que se coloca em condição de receber migalhas dentro de um relacionamento poderá receber o respeito almejado
A leitora Mariana Campos, 32, de Belo Horizonte sugeriu esse tema com o seguinte questionamento:
- Porque algumas mulheres só interessam por homens comprometidos? Tenho amigas que sempre assumem papel de amantes e acham que um dia o cara irá ser somente delas. Não consigo entender isso.

Segundo Ramiro Sancho, especialista em comportamento social, existem várias causas para esse tipo de comportamento.
- Toda mulher cresce querendo encontrar um príncipe encantado. Idealizam o homem perfeito e se preparam para um dia encontrá-lo. Um belo dia se envolvem com um homem comprometido e o resultado disso? Certamente várias feridas, tanto na pessoa traída quando da amante. O que provoca isso? Carência e necessidade de afeto. E acreditar que não são merecedoras de vivenciar uma situação legítima e verdadeira agrava a situação – explica Ramiro
O especialista diz que também existem pessoas que assumem o papel de amante apenas por sentir prazer em destruir outros relacionamentos.
- Alguns sentimentos doentios levam mulheres a assumirem o papel de amante. Elas se parecem VIUVAS NEGRAS. Conquistam o homem comprometido com o único objetivo de destruir a família que ele conquistou. Caso consiga seu objetivo perde o interesse. Se o motivo não envolver a cobiça financeira, cada caso deverá ser estudado individualmente para se descobrir o porquê de agirem assim – explica.
Estudos apontam que viver um relacionamento com homem casado não é natural.
- Isso significa que as relações acontecem com hora e data mercada. Não existe espontaneidade. Toda ação precisa ser analisada. Qual a graça de não poder ser autêntico, vivenciar o amor na clandestinidade? Se vista pelos outros como alguém não merecedora de ser apresentada com orgulho a sociedade? E sim, a resposta a pergunta de Maitê Souza,36, Contagem/MG. Muitas vezes se envolver com um homem casado é forma de fugir do amor. Não de momentos fugazes, mas sim de um relacionamento seguro, profundo e que a leve a querer construir um vínculo maior, como a construção de uma família – garante Ramiro.

IMPORTANTE:

A mulher que aceita ser amante precisa entender que:
Corre o risco de ver sua auto-estima ruir;
Tanto a amante quanto a oficial corre o risco de sofrer;
Quem não respeita um lar, dificilmente conseguirá construir um;
O respeito começa por si próprio, não espere obtê-lo sem que se respeite primeiro.

terça-feira, 13 de julho de 2010

PESSOAS CONECTADAS À SOLIDÃO (Parte 1)




Segundo Ramiro Sancho, tudo em exagero é prejudicial. O uso da internet de maneira racional é considerado um benefício (FOTO CAROL AYALA
)

Fabíola Cangussu
Repórter


Um dos maiores males do século XXI, a solidão, trouxe a sociedade mais um vício comportamental, o vício em internet, atingindo milhares de pessoas em todo o mundo, sendo que pesquisa realizada em julho de 2009 apontou que o Brasil superou o Japão e os Estados Unidos no ranking do número de pessoas que acessam a rede mundial.
Segundo levantamentos, o brasileiro passa em média 66hs por mês navegando na internet. Outros números apontam que adolescentes são os que mais perdem a noção do tempo quando estão conectados. Eles conseguem ficar mais de 8hs consecutivas acessando sites de relacionamentos e serviços como o MSN.
O perigo disso, segundo o especialista em comportamento social, Ramiro Sancho, é o distanciamento que esse hábito provoca nos relacionamentos humanos.
- Tudo em exagero é prejudicial. O uso da internet de maneira racional é considerado um benefício. A net pode aproximar pessoas. Site de relacionamento cumpre a missão de interligar a sociedade. Não é raro encontrarmos relatos sobre reencontro de amigos que a distancia e o tempo afastaram. O grande problema é quando as pessoas começam a eliminar sua vida social apenas para ficar conectado – explica Ramiro.
Os especialistas afirmam que esse tipo de dependência causa danos físicos e emocionais, entre eles a taquicardia, a sudorese, a secura da boca e as tremedeiras. Algo comum em portadores de outros vícios. Além disso, estudos detectaram que em longo prazo, esse tipo de comportamento resulta em problemas como comprometimento da postura, LER, e até mesmo a obesidade, uma vez que a pessoa se torna sedentária.
Já no campo emocional, Ramiro alerta que as pessoas entre outros sintomas, perde a capacidade de concentração.
- Esse vício provoca angústia por estar longe de um computador. Há relatos que as pessoas param de comer, ou mesmo de fazer sua higiene pessoal para não desconectar-se. O viciado tenta fazer vínculo através da internet. Alguns solitários buscam a net como um analgésico que abrande sua dor. Nessa procura encontram amores virtuais, criam personagens baseada em como gostaria que fosse a sua vida (uma espécie de universo paralelo). Por instantes consegue sentir-se realizado. Mas ao se desconectar a sensação de vazio e solidão volta reforçada, e surge uma necessidade forte e cada vez maior de se conectar novamente, de voltar a esse mundo de fantasia onde se deixa de ser tímido ou mesmo a garota ignorada desde a época de escola – analisa o especialista.
Ramiro destacar que as pesquisas no mundo alertam que mais do 50% das pessoas, dependentes da internet, manifestam outras dependências, tais como sexo, tabaco, álcool, drogas, entre outras.
- Isso demonstra falta de autocontrole. Para escapar desse problema o ideal é ocupar a mente e o tempo com aquelas atividades que realmente precisa executar, seguidas das atividades que dê prazer como atividade física regular, visitar parentes e amigo, freqüentar cursos, mostras culturais, cinema, salão de beleza, etc. A idéia é aproveitar seu tempo para cultivar seu lado espiritual, profissional, artístico, entre outros, ao invés de gastar ele em algo que não passa de uma fantasia, em um universo paralelo. Caso não consiga fazer isso sozinho, está na hora de buscar ajuda profissional.

IMPOTANTE:


Responda as seguintes perguntas sugeridas pelo especialista:
Quanto tempo você passa “conectado”?
Que tipo de conteúdo você costuma acessar?
Quais seus sites preferidos?
Qual percentual do seu tempo potencial você dedica a navegar na rede acessando Orkut, MSN, facebook, badoo, twitter, entre outros?
Que horas você consegue desligar seu computador de noite e dormir?
Após analisar fria e objetivamente as suas respostas, você poderá chegar a uma simples, mas preocupante conclusão: “A internet vicia sim, e muito!!!
ESTEJA ATENTO AO SINTOMAS!

CONTATO: MANDE SUA SUGESTÃO DE TEMA PARA fabiolacangussu@yahoo.com.br

segunda-feira, 12 de julho de 2010

MEDO DE AMAR ATRAPALHA A FELICIDADE


Segundo Ramiro amor é um sentimento que faz com que a vida se torne menos fria e em teoria deveria ser mais simples (FOTO CAROL AYALA)


Fabíola Cangussu
Repórter


O músico mineiro Beto Guedes disse em uma de suas canções que O medo de amar é o medo de ser /Livre para o que der e vier /O medo de amar é não arriscar/ Esperando que façam por nós/O que é nosso dever /Recusar o poder, certamente essas palavras refletem o que acontece com milhares de pessoas que recusam a se permitir a vivenciar esse sentimento.
A ciência comprovou que o amor é algo inerente ao ser humano e que a atração entre os casais nasce de coquetéis químicos e do comprometimento que eles têm com o amor. O especialista em comportamento Social Ramiro Sancho diz que além do papel de preservação da espécie, o amor permite que as pessoas olhem o mundo com mais tolerância e com menos peso.
- O amor é um sentimento que faz com que a vida se torne menos fria e em teoria deveria ser mais simples. Porém, a grande maioria consegue complicar suas relações amorosas, e tendem a creditar ao amor a condição de ser feliz. Ao perceber que a felicidade não estar no outro, e que aquela escolha a torna frágil é instável, vem a frustração. Como comprovou a ciência, a dor de amor é física e emocional, e isso a cada dia faz com que as pessoas que passaram por essa experiência criem mecanismo de proteção na tentativa de evitar a dor – explica o especialista.
Segundo Ramiro, algumas pessoas que foram magoadas tentam se refugiar em sites de relacionamento, buscando vivenciar relações amorosas sem se comprometerem, ou procuram neles ouvir aquilo que não escutam em casa ou nos seus relacionamentos, reafirmam sua feminilidade, ou masculinidade.
- Em resposta a leitora Luiza Alcântara de Belo Horizonte, sim, existe relacionamento virtual que torna real. Mas para isso é necessário que as pessoas estejam comprometidas com essa possibilidade. A internet é apenas um meio para aproximar pessoas, como uma festa, um teatro ou um encontro com amigos, mas para ter um relacionamento bem sucedido é preciso de bases solidas, e elas não podem ser construídas de forma virtual e sim como resultado de vivencias e momentos compartilhados pelo casal. Cuidado para não se envolver com pessoas casadas que se acham no direito de usar a net para vivenciar fantasias extras conjugais. A internet não pode ser usada como escudo – alerta Ramiro.
A correria do dia a dia também contribui, segundo o especialista, para que às pessoas se afastem do amor.
- É cada vez mais comum usar a falta de tempo para não se aprofundar relações. Não se visita amigos queridos porque não se tem tempo para isso. Não se brinca com os filhos porque chega cansado do trabalho e tudo que se quer é um momento para ver um programa na TV, ou ler o jornal do dia. Não se conversa com esposos e namorados porque pode gerar conflito e atrapalhar a suposta paz. Isso não é diferente quando se trata em encontrar um novo parceiro. O mais fácil a se fazer? Acomodar-se atrás da pseuda paz – analisa o especialista.
Na tentativa de se proteger, Ramiro alerta que as pessoas estão vivenciando a solidão.
- Não é sem motivo que a solidão e a depressão são consideradas o grande mal do século XXI. Na tentativa de evitar conflitos as pessoas se recolhem e não percebem que a dor que tentam escapar as encontra no silêncio de suas almas. Negar a viver e experimentar, é exatamente o resultado que se tem ao término de um relacionamento, só que aparentemente sem dor. Vale lembrar que na pratica essa dor existe. Em menores quantidades diárias, mas com uma frequencia e resultados assustadores se mantidos por muito tempo – garante Ramiro.
Assim, em resposta a leitora Flávia Orechio, 21 de Belo Horizonte, o especialista aconselha a descobrir formas de perder o medo de se relacionar, uma vez que não existe forma de prever o futuro.
- Pelo relato da leitora, já existe admiração e interesses em comum com o ser amado. Não existe forma de prever se o relacionamento será bem sucedido ou não sem o risco de começar. A vida é feita de erros e acertos. E ambos ajudam a conquistar maturidade e consequentemente, a felicidade. Nenhum relacionamento vem com o prazo de validade. Sentimentos humanos não são mercadorias que saem de fabrica com esses números. E uma pessoa de 21 anos está apenas engatinhando na arte de se relacionar. Permita-se viver – aconselha.
Como escapar desse círculo vicioso é a grande pergunta, e a resposta segundo o especialista é uma só, a decisão individual de cada um.
- O mundo é a percepção de cada pessoa. Uma das dicas é analisar os fatos que levou ao isolamento. A partir daí trace metas que quebre a redoma construída em volta de si mesmo e reconheça que as decepções são sentimentos tão necessários quanto as alegrias, e que para se tornar adultos capazes de crescer, produzir, amar e ser feliz é fundamental aprender a lidar com elas.

LEMBRE-SE


Querer amar é uma das melhores sensações que se pode vivenciar;
Amar é sofre? Claro que não. Amor é sofrimento quando se coloca ele acima de si mesmo ou de sua família e amigos verdadeiros;
Amar para preencher vazio interior, gera sofrimento e solidão. Ninguém preenche o vazio do outro;
Se condicionar seu sorriso diário ao fato de está ou não acompanhado, certamente o relacionamento terminará em sofrimento.
Uma frase antiga e verdadeira: É melhor se arrepender do que se fez do que não fez